ANAN: A luta contra o racismo

ANAN: A luta contra o racismo

No dia 20 de novembro comemora-se o Dia da Consciência Negra, uma data simbólica para lembrar dos abusos e lutas pelos quais a população negra enfrentou em nosso país. Uma história repleta de cicatrizes que ecoam até hoje.

Com o intuito de defender os direitos desta população surgiu a ANAN (Associação Nacional de Advocacia Negra). Criada em 2016, a associação é composta por mais de 1.500 advogados negros que lutam contra o racismo de dentro do sistema jurídico e foi lançada em setembro deste ano.

A ANAN é uma prova de que o racismo não existe apenas em áreas marginalizadas ou de baixa-escolaridade, mas que ele é um problema crônico de nossa sociedade, presente em todos os âmbitos e classes sociais.

Para criar mais oportunidades para pessoas negras no mercado de advocacia, a ANAN oferecerá cursos preparatórios que qualifiquem pessoas negras para cargos mais altos. Além disso, ela também estimula que advogados negros empreendam em seus mercados locais, atuando portanto junto a outras pessoas negras.

Segundo o IBGE de 2010, a população negra e parda representa mais da metade dos cidadãos brasileiros. Esse será um dos maiores impactos da ANAN: a representatividade. Por todo o Brasil, advogados negros poderão se unir no combate ao racismo.

 


Expressões racistas

Muitas vezes não sabemos qual a origem das palavras que usamos, mas é preciso tomar cuidado: você com certeza já usou muitas das seguintes expressões sem saber que elas são racistas, devemos evitá-las até que sejam extintas do nosso vocabulário.

1. DENEGRIR – Do latim “denigrir”, termo significa “tornar negro”. No português, a expressão é racista devido a sua conotação negativa.

2. DA COR DO PECADO – Essa é comum de se ouvir agora que entramos no verão. Apesar de parecer um elogio pelo bronzeado, a expressão indica que a cor de pele mais escura é algo proibido, sedutor e negativo.

3. DOMÉSTICA – O termo era utilizado para diferenciar as escravas que trabalhavam nas casas das famílias brancas daquelas que trabalhavam na lavoura. Por terem uma melhor educação, eram chamadas de “domesticadas”.

4. MULATA – O termo faz referência à mula, cruzamento da égua com o jumento. Compara assim as pessoas que tem a pele negra mais clara com um animal.

5. NÃO SOU TUAS NEGAS – Na escravidão, o homem era proprietário das escravas negras e as usava e tratava como bem entendesse. Hoje a expressão ainda carrega esse teor racista.

6. TRABALHO DE PRETO – Usada para quando o trabalho não é bem executado, o termo foi cunhado em um período em que acreditavam que negros não eram capazes de realizar bons serviços.

7. MERCADO NEGRO – O termo faz menção ao mercado ilegal, associando a palavra “negro” a algo ruim.

8. LISTA NEGRA – Usado para definir alguém entre as piores pessoas, a expressão dá um sentido negativo ao adjetivo “negra”.

9. OVELHA NEGRA – A ovelha negra seria aquela fora do padrão, errada. A expressão dá a entender que o “correto” seria uma ovelha branca, e que as ovelhas negras são problemáticas.

10. FAZER NAS COXAS – Essa expressão também significa um trabalho mal feito, mas tem uma origem curiosa: os escravos moldavam as telhas nos formatos de suas coxas, como cada um possuía uma perna diferente, o trabalho não ficava simétrico e, portanto, imperfeito.

11. CRIADO-MUDO – A mobiliária que fica do lado do pé da cabeceira da cama nem sempre foi um móvel. O termo era usado para designar os escravos que tinham que segurar os pertences dos seus senhores, e que deveriam permanecer calados, como se fossem mudo.


Você sabia que essas expressões eram racistas? Lembrou de alguma que não está na lista? Não deixe de comentar em nosso post no Facebook.

 

Fonte: SAJ Adv, Migalhas e Portal T5

Compartilhe nas Redes Sociais...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn